29/08/2014

Seleção de dez instituições prevê investimento inicial de R$ 260 milhões em inovação voltada à indústria

Os Institutos Lactec foram confirmados nesta sexta-feira (29), ao DSC_7329-e1409339730650lado de outras nove instituições, como a nova unidade da Empresa Brasileira de Pesquisa e Inovação Industrial (Embrapii). Com isso, os institutos receberão recursos financeiros para investir em projetos de pesquisa, desenvolvimento e inovação (PD&I). A intenção é estimular a produção tecnológica e a capacidade de inovação da indústria brasileira. Até 2016, A Embrapii quer escolher outras 30 instituições e investir cerca de R$ 1,5 bilhão. Nessa primeira fase, os dez institutos selecionados receberão investimentos de até R$ 260 milhões. Falta a eles encontrar um parceiro industrial.

Leia matéria da Gazeta do Povo deste domingo (31) sobre os Institutos Lactec e a Embrapii.


O modelo de negócio adotado pela Embrapii para a formação da sua rede de unidades é baseada em três parceiros. As unidades são responsáveis pela execução dos projetos de PD&I e precisam encontrar um industrial, para incorporar o conteúdo tecnológico que será desenvolvido em seus produtos, serviços ou processos. A Embrapii é a terceira parte, que funciona como um investidor. O aporte de recursos provenientes da empresa chega até um terço do total dos projetos executados por cada unidade, sendo que os institutos de pesquisa também fornecem contrapartidas financeiras, restando às empresas ou indústrias o pagamento do valor remanescente de cada projeto.

A área de competência escolhida pelos Institutos Lactec junto à Embrapii é a eletrônica embarcada. “Esse conceito pode ser entendido como qualquer equipamento ou sistema eletrônico que tem como base um microprocessador e possui um software dedicado ao dispositivo ou sistema que ele controla”, comenta o gerente do Departamento de Eletrônica e Tecnologia da Informação, Jefferson Chapieski. Para ele, um bom exemplo dessa tecnologia é o aplicativo bloqueador de carros. Desenvolvimento dos Institutos Lactec, ele se comunica via SMS com um dispositivo eletrônico instalado no rastreador do veículo. Isso permite ao usuário saber a localização do veículo, programar o bloqueio do automóvel na prevenção de furtos e até mesmo cortar a alimentação de combustível, caso o veículo seja furtado. “Apesar desse tipo de tecnologia de rastreamento já existir no mercado, a inovação está em poder enviar esses comandos por meio do aplicativo do seu celular, monitorando o veículo num estacionamento ou no lava carros, por exemplo”, explica Chapieski.

Para o diretor presidente dos Institutos Lactec, Luiz Fernando Vianna, esse é um momento decisivo. “Com nossa conquista, já temos garantidos os recursos da Embrapii e o nosso compromisso com o fornecimento de capital intelectual e o desenvolvimento da tecnologia. Agora iremos em busca dos parceiros industriais para formatação dos projetos,” explica. O foco é o desenvolvimento de projetos em eletrônica embarcada, em três sublinhas de atuação: medição de grandezas elétricas, software embarcado e automação e sistemas de monitoramento.

Confira as dez empresas selecionadas na Embrapii.

Sobre o processo

Os Institutos Lactec receberam a visita de representantes da Empresa Brasileira de Pesquisa e Inovação Industrial (Embrapii), em fevereiro de 2014. O diálogo com diretores, gerentes e pesquisadores despertou o interesse dos Institutos Lactec para a chamada pública 01/2014. Foram apresentados, na ocasião, o plano de negócios da empresa e as metodologias empregadas para seleção, coordenação, avaliação e repasse de recursos, fruto da experiência-piloto realizada com outros institutos.

O modelo de negócio da Embrapii é semelhante ao do instituto alemão Fraunhofer. Nele, cada unidade credenciada recebe recursos para investir na área em que elege como foco para projetos de pesquisa e desenvolvimento, trabalhando em conjunto com outras empresas.